COMO FAZER UM DIÁRIO ESPIRITUAL E QUAL A SUA IMPORTÂNCIA?


No dia a dia é sempre bom usar a escrita para progredir no desenvolvimento espiritual. Mas não é exatamente como um diário ou planner espiritual, pode ser mais, pode ser um Caderno da Vida. Essa expressão tem relação com o Livro da Vida de Santa Tereza de Jesus e gosto dela, pois, demonstra como podemos realmente nos dedicar ao caminho espiritual com afinco.



Espero que seja útil para você e lembro que é possível fazer as áreas e sessões que desejar no seu caminho.

Nós temos no Caderno da Vida:

Lista de Anseios
Diário de Intimidade com Deus
Diário de Oração
Confissão
Catequese do Papa
Presentes de Deus



Paz e bem!



8 MANEIRAS DE ENCONTRAR TEMPO PARA REZAR

Olá, o post de hoje é uma tradução com alguns comentários meus (em azul) do site Catholic- link. Acredito que é muito útil para a vida de espiritualidade diária. 


Independentemente do tipo de ministério que você faz dentro da Igreja, haverá um momento em que ele te consome e começa a causar danos a sua vida de oração pessoal. Talvez você esteja tão ocupado e ore todos os dias com um grupo, fale de Deus e ofereça o seu tempo até a exaustão e no fim do dia percebe que não dedicou um tempo de qualidade na oração pessoal, você e Deus. 

Eu me lembro bem do meu trabalho na pastoral juvenil. Eu estava conduzindo uma conversa com um grupo de adolescentes. Realmente foi pela graça de Deus que a conversa correu bem e eu era capaz de ser tão alegre e entusiasmado, porque, eu pensei: "De onde tudo isso vem? Não tenho absolutamente nenhuma vida de oração agora e eu estou exausto e logo não conseguirei dar nada e o meu trabalho se tornará muito menos sobre Deus e muito mais sobre mim ".

Aquele momento foi um grande sinal de alerta, precoce, que eu precisava olhar para a minha própria vida de oração. Eu era capaz de ver que, se eu não nutria uma boa vida de oração entre mim e Cristo, eu não teria absolutamente nada para dar aos jovens com quem trabalhava. Eu não seria capaz de compartilhar com eles a alegria de conhecer a Cristo, porque eu não estava degustando essa alegria. Se este tipo de situação soa familiar a você, então a lista seguinte poderá ajudá-lo a criar mais tempo para a oração em sua própria vida e renovar a alegria que você levará para o seu ministério, seu trabalho, sua vida.

Aqui é importante notar, as palavras CRIAR mais tempo em sua PRÓPRIA vida, é importante notar, não em outra vida, em outro tempo, quando estiver de tal maneira, cria-se o tempo na realidade atual. 


1. Em primeiro lugar investigar se você tem equilíbrio em sua vida.

Você tem realmente pouco tempo em sua vida, ou você está esforçando-se para orar devido a "fadiga" do trabalho no ministério ou trabalho profissional? Olhe para o seu dia, você poderia acordar mais cedo, ir para a cama mais cedo, ou deixar de fazer algo não essencial. Não há nenhum sentido em entregar todo o seu tempo para o trabalho e acabar sem tempo livre para gastar com Deus, principalmente se o trabalho é um ministério. Seu relacionamento pessoal com Deus deve vir em primeiro lugar, a fim de que você possa compartilhar melhor Seu amor e a misericórdia da mensagem do Evangelho aos outros. Reprogramar, reorganizar ou cortar tarefas é uma das formas de gerenciar o tempo de oração.


2. Simplesmente comece - e comece de novo se for preciso.


Se a sua vida de oração tem realmente se tornado difícil, não tente voltar para onde você parou quando sentia que sua vida de oração era "boa". Comece de novo e simplesmente comece. Comprometa-se com algo todas as manhãs, talvez antes mesmo de sair da cama. Talvez uma versão abreviada da oração da manhã, ler um salmo devagar e com cuidado ou meditar sobre o Evangelho do dia, basta começar o seu dia com uma oração. Não se preocupe se você não pode gastar um tempão - comece pelo pequeno e se você fizer isso com sinceridade, seu tempo de oração se aprofundará.


3. Utilize o seu smartphone - com cautela.

Provavelmente, se você tem um smartphone, o utiliza para muitas coisas - muitas delas relacionadas ao trabalho ou ao ministério. No entanto, o telefone é uma espada de dois gumes! Se você é um viciado em smartphones, como eu, tente baixar um aplicativo que rastreia a quantidade de tempo que você gasta em seu telefone, e em quais aplicativos, a cada dia. Fiquei chocado ao ver a quantidade de tempo que eu perdia no meu telefone fazendo coisas não essenciais. Eu tinha muito mais tempo livre do que eu imaginava. O smartphone pode ajudar a orar quando você está ocupado ou viajando. Usando aplicativos como o "Laudate" (ou o Católico Orante ou a página do Salus no Face) você pode ter todas as orações ao seu alcance, incluindo a Liturgia das Horas. Se você estiver usando seu telefone para a oração da manhã, você poderá colocá-lo em modo avião, antes de ir dormir para que você não acorde tentado a ler todas as suas notificações antes de rezar (acho que devemos fazer isso toda manhã, como uma forma de disciplina). Na verdade, todas as vezes que você usar um aplicativo de oração, coloque o telefone no modo avião, para que você não seja interrompido com telefonemas ou e-mails chegando ("Ocupado com Deus, obrigada, de nada").



4. Ore uma dezena " em movimento" (aliás essa dica era dada por Dom Bosco)

O Rosário é perfeito para momentos em que estamos ocupados! Se você está dirigindo no carro, no transporte público, almoçando, uma dezena rápida não leva muito tempo. Dê-lhe tudo que você tem naqueles poucos momentos, colocando sua alma diante de Deus orando com Maria através da vida de Cristo. Você encontrará mais do que espera com esses pequenos momentos refrigério.


5. Dê o seu dia e trabalho como presente.

Tudo que você faz é uma oportunidade de dar a Deus em oração. Você pode simplesmente dizer em seu coração: "Deus, eu lhe entrego, neste momento, esta tarefa, este trabalho, é tudo para Vós." Se você esta ocupado em um retiro com um animado grupo de adolescentes, uma visita ao hospital, ou um grupo de filhos para a primeira comunhão ou no trabalho da vida diária e profissional, você poderá oferecer cada parte do seu ministério e das sua tarefas a Deus e fazer da sua oração um ato de amor.

© Christophe LEUNG/ Flickr


6. Defina um tempo a cada dia em que você vai fará uma pausa breve para colocar-se na presença de Deus.

Crie um alarme no seu telefone ou relógio para que você não se esqueça. Se está em sua mesa, no caminho para o seu próximo compromisso, feche os olhos, se afaste do mundo por um momento e simplesmente esteja com Ele. (É ótimo para tomar consciência que Jesus esta em nós)


7. Termine o seu dia com o "Exame"

Santo Inácio de Loyola sabia que seus seguidores estavam ocupados durante o dia e não tinham muito tempo para orar. Então, ele desenvolveu a prática da oração, meditando sobre o dia no final do mesmo. Durante este tempo você pedirá a Deus para que lhe mostre como foi seu dia aos olhos Dele (É o mesmo método que usamos na Oração de Atenção Amorosa nos Exercícios Inacianos Quaresmais). 


8. Calendário: "Maiores" momentos de oração pessoal, uma vez por semana.


Coloque-o em sua agenda e não deverá ser mudado. Grife com caneta vermelha, pois deverá ser uma horário sem compromissos. Quer se trate de uma hora em adoração ou de algum tempo quieto em seu quarto, esta é sua chance de dar toda a sua semana a Deus e realmente passar algum tempo de qualidade com Ele. 


Em última análise, a sua vida de oração pessoal deve ser a base sólida sobre a qual você constrói o seu ministério e a sua vida. Deve refrescar e renovar o seu trabalho constantemente. Se você sente que o equilíbrio em sua vida não esta correto, então lembre-se que Cristo tomou regularmente momentos para ficar a sós com Seu Pai no céu, e que Ele falou a todos quando disse: "Vinde a mim todos vós que estais sobrecarregados e Eu vos aliviarei, pois meu jugo é suave e o meu fardo é leve. "(Mt 11,28).


Acredito que esse post é útil para demonstrar que os momentos de oração que englobam as atividades do dia são úteis e melhoram a convivência com Jesus. Lavar alface e rezar o terço, caminhar e ajoelhar, falar e calar, um trabalho bem feito, tudo é oração quando é entregue de coração. 

Paz e bem!

COMO A DISCIPLINA NA ALIMENTAÇÃO MELHORA SUA ESPIRITUALIDADE


Olá,

eu sei que você deve estar pensando "será que estou no blog certo"? Bom acredite, está. E sim, vamos falar de alimentação.

Como você já deve ter visto no vídeo sobre gula, aqui, a espiritualidade e a alimentação tem uma intima relação.



Como vimos, a gula não é só comer demais, mas também devemos notar que se relaciona com a qualidade e agora, indo além, podemos ver outras faces desse comportamento.

Atualmente, vivemos numa interessante relação com a comida, comemos coisas comestíveis e não alimentos. Para me fazer compreender e poder expressar as virtudes desempenhadas nesse processo, vou lhe contar o que aconteceu na minha história.

Nunca tive problemas com comida, minha alimentação sempre foi boa, em casa fomos educados a comer de tudo e "tudo" inclui vegetais,  mas com a vida cotidiana trabalhista (rs) comecei a "me esquecer" de comer. Muitos podem achar isso bom (rs), mas não é, afinal comer é uma necessidade do corpo e é necessário para manter a vida saudável do mesmo, logo se esquecer de disso demonstrava que eu preferia submeter meu corpo a um stress desse tipo em prol de um trabalho adiantado.

Logo minha primeira lição foi: comer nos horários. Sei que isso é a fala de muitos profissionais, mas no meu caso e talvez no seu, era uma forma de exercer a constância, digo isso porque comia sem fome e sem vontade de comer (não, não era anoréxica rsrs era uma pessoa que trabalhava e estudava demais e entre comer e dormir, preferia dormir rs), mas consegui e comia nos horários.

Claro que esse jejum, sem nenhum suporte espiritual e sem nenhum objetivo espiritual (sim, o jejum com proposito, é bem feito e consciente), saiu caro e fiquei com uma pangastrite (gastrite é a inflamação de uma parede do estomago, pangastrite do estomago todo), mas eu não sentia dor (não, não sei por qual razão). Fiz um tratamento com 60 antibióticos semanal e fiquei bem, não passei mal, e consegui comer direito :). 

Bom essa fase, comecei a notar o quê eu comia e como comia. Pois é, o fato é que, obviamente, precisei mudar minha alimentação por conta do estomago que havia se cansado de tanto lixo e ficado bem seletivo quanto a lactose (sim, intolerância a lactose, que não é alergia, só intolerância). Assim comecei a me fazer uma pergunta quando vou comer: isso é comestível ou alimenta? - no caso, isso engana ou nutri.

Sabe, quando escrevi o No Principio, baixe aqui, precisei estudar o Gênesis novamente e novamente, sempre parava nos alimentos que Deus havia nos dado, o quanto eram nutritivos e nos aproximavam da natureza. Confesso, não sou vegetariana, mas como alimentos que nutrem em maior quantidade e mais vezes ao dia.

Quem passa por aqui, assiste os meus vídeos, sabe que sempre falo da necessidade de fazer o pequeno, ir pela pequena via como diz Santa Terezinha. Quando escolhemos o que comemos (não com frescura, mas numa ação consciente e prudente, comendo comida mesmo), a quantidade que comemos, fazemos uso da prudência, que é a arte de escolher. Quantas vezes comemos para satisfazer um gosto e isso é bom, MAS muitas vezes aquilo que foi ingerido nos fará mal e esse fato é muitas vezes consciente, sabemos que fará mal. E ainda vou além, muitas vezes fazemos isso com a comida e com outras áreas da vida, não é mesmo? Vamos, agimos e falamos mesmo sabendo que é ruim, não fará bem.

Assim é possível na prática de pequenas coisas aprender a escolher, a ser prudente.

E por fim, chegamos ao como. Já reparou que não comemos na mesa? E que fazemos muitas coisas em lugares que não lhe são próprios? Eu por exemplo, tinha o péssimo hábito de comer em pé, andando, fazendo as coisas. Hoje vou te falar que preciso me esforçar pra montar a mesa, o prato, sentar, me desligar do que precisa ser feito e comer. Assim é também um treino da constância.

Todos esses pontos e outros que podem surgir aí na sua mente com essa reflexão, nos levam a treinar também a temperança, que é capacidade de buscar o equilíbrio.  

Agora vou além, sabia que a castidade, que é a capacidade do auto domínio da sexualidade, é filha da temperança? Da mesma forma que a a gula pode abrir espaço para a luxuria, a temperança abre para a castidade. 

Pois é, não se deixe levar! Como disse no vídeo, aqui, é comum que sejamos assaltados por pensamentos de que já estou tão estressado se fizer isso vou ficar doente, minha vida já é tão difícil e eu ainda vou fazer isso? Não são pensamentos que vem de Deus, podem ser simplesmente a comodidade humana ou, se você tem dificuldades na sexualidade, um forma de impedir que feche essa porta.

Lembre-se, se for fiel no pouco Ele te confiará mais.

Paz e bem.








10 FORMAS DE COMBATER A ANSIEDADE

Olá, 

Hoje quero compartilhar a tradução de um texto do site Catholic. link. Aborda dicas sobre ansiedade e acredito que é útil para todos. Meus comentários estão em azul.

1. Memorizar as Escrituras:

 " Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, mais penetrante que qualquer espada de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, das articulações e das medulas, e discerne os pensamentos e intenções do coração ."Hebreus 4:12 

Quando os meus pensamentos me oprimem, eu preciso substitui-los com palavra de Deus. Repeti-los mentalmente (e às vezes em voz alta!). Se você não tem um memorizado, pode buscar por um.   Alguns dos meus versos preferidos são: Salmo 46:10, Jeremias 29:11, Salmo 56: 3, 2 Timóteo 1: 7 , João 14:27.

Usamos essa forma de oração, aqui, muito eficiente para orar como Moisés.


2. Cante uma canção

 "Quem canta reza duas vezes" - St. Agostinho

 Eu li recentemente um estudo que mostrou que os níveis de dor das crianças caem quando escutam uma música. A música tem uma poderosa qualidade de cura. Eles nos levantam e nos lembram das promessas de Deus. Música clássica também pode ter um efeito calmante sobre a alma. 


3. Telefone para um amigo

" Ouça conselhos e aceite instruções, você pode ganhar sabedoria no futuro ." Provérbios 19:20 

Um dos maiores erros que eu fiz no passado era não deixar ninguém saber como eu estava me sentindo. Eu pensei que eu tinha que lidar com tudo sozinha. Uma vez eu me abri e compartilhei, meus amigos oraram por mim. Os amigos e a família são dados a nós como um presente. Muitas vezes eles podem ver as coisas em nossas vidas que não vemos. Encontre um amigo que possa orar com você quando você se depara com o medo e a ansiedade. Escolha alguém que vai falar a verdade ao seu coração.

Lembrando que é ideal, pela prudencia como vimos no vídeo sobre fala, aqui, encontrar um amigo, alguém de bom senso e vida espiritual, não sair contando tudo a todos, pois pode receber conselhos equivocados ou fazer a sua vida uma pauta de noticias para o dia nas rodas de fofoca. 


4. Faça uma oração poderosa.

Reze um rosário, o Pai Nosso ou outras orações curtas (invocações) para trazer a paz rapidamente. Se você não pode pensar em outra coisa, o Sinal da Cruz é uma oração curta, mas uma poderosa forma de oração. A novena é uma outra maneira poderosa para orar, de Santa Dymphna, padroeira da ansiedade, doenças emocionais, depressão e famílias.

Esse ponto é importante, como já vimos nos estudos sobre o Rosário, aqui, podemos alcançar paz pois é uma oração vocal, meditativa e contemplativa.  

5. Sacramentais.

Este pode parecer um pouco superficial, mas é muito útil para mim. Em tempos de preocupação, me agarro à medalha milagrosa que eu uso no meu pescoço. É um lembrete tangível da presença de Deus em torno de mim. Ele traz conforto e segurança. Um crucifixo ou arte religiosa em casa também pode ser um lembrete visual que Ele é Deus.



6. Leia a vida dos santos. 

Em certos momentos em suas vidas eles também se sentiam fracos, com medo ou ansiosos, mas com a ajuda de Deus, eles foram capazes de superar seus medos. Deus vai dar-lhe essa mesma ajuda se você se abre à Sua graça. Santa Dymphna, São Padre Pio e outros são histórias maravilhosas para começar a ler.

Existem filmes também que ajudam muito, aqui, te indico alguns.


7. Seja Ativo. 

Dê um passeio ou faça uma corrida, contemple a beleza da criação de Deus. Seja voluntário em um abrigo ou hospital local.

No meu livro, Aprume-se (ainda não esta disponível na Amazon), abordo a prática de caminhada meditativa e outros exercícios que favorecem essa prática. 


8. A confiança é uma obrigação.

Você deve colocar a sua confiança em Deus, em vez de seus próprios esforços. É difícil fazer isso. Uma maneira de cultivar a confiança para o futuro é olhar para o passado. Pense em todas as maneiras que Deus providenciou em sua vida. Seja grato por estes tempos. Um diário ou manter uma lista de todas as vezes que Deus te abençoou pode ser útil para olhar para trás em tempos de dificuldade ( vimos esse fator no vídeo sobre os 12 Benefícios da Gratidão, aqui). Se você não consegui pensar em quaisquer momentos em sua vida, volte-se para as escrituras e as vidas dos Santos e se lembre que Deus nunca falha.


9. Abrace os Sacramentos.

 As graças que vêm de se confessar e receber a Eucaristia nos fortalecem para enfrentar as batalhas da vida. Passar um tempo em adoração a Jesus te trará a paz que muitas vezes é tão difícil de encontrar.

Logo teremos estudos sobre Eucaristia, aqui.


10. Pare de ser egoísta. 

Um dos aspectos mais difíceis do meu processo de cura continua a ser a percepção de que muito do meu medo vem do meu próprio egoísmo (falamos mais sobre isso no vídeo sobre Felicidade, aqui). A maior parte do que eu tenho medo de perder envolve as pessoas que eu amo ou as coisas na minha vida que a tornam mais confortável. Eu sou auto-centrado e eu quero as coisas do meu jeito. Quando algo perturba isso, eu fico chateado. Estou chegando a um ponto onde eu possa dizer "não a minha vontade, mas a Tua vontade seja feita" e confiar que Deus sabe o que é melhor para mim.


Nota: Muitas pessoas sofrem de ansiedade severa que requer ajuda médica. Se os seus medos estão impedindo de realizar tarefas diárias e aproveitar a vida, procure aconselhamento médico, além de oração.


Que nada perturbá-lo, não deixe que nada te assustar, Todas as coisas estão passando: Deus nunca muda. Paciência obtém todas as coisas.Quem tem Deus não falta nada; Só Deus basta.

St. Teresa de Ávila

Paz e Bem!

COMO A LITERATURA INFLUÊNCIA OS RELACIONAMENTOS

Hoje veremos alguns pontos sobre os livros de "literatura" que hoje vemos livremente comercializados, inclusive, no que se refere a livros teen, new adult e adult.

Antes de prosseguir quero dizer que já li muitos romances, hoje não leio mais, trabalhei muitos anos em uma livraria, de modo que as categorias e estilos literários me são bem familiares, assim como a análise dos mesmos e digo, temos sempre uma sucessão interminável de "mais do mesmo". Portanto, o que listarei abaixo está, infelizmente, presente em 90% dos best seller de literatura atuais.


Relacionamento
Atualmente se glorifica a vivência de um relacionamento superficial e pouco saudável baseado "no nada", na atração, na carência, no sexo e na idealização absurda do outro e do próprio relacionamento. Relacionamentos que possuem como termômetro de sucesso o sexo, seu inicio no sexo e seu fim na falta do sexo. Essa é a profundidade dos relacionamentos abordados nos livros atualmente e olha que interessante, nos reais também, mesmo todos sabendo que é muito mais que isso. Também ocorre uma dependência obsessiva, com sonhos, visões e vozes do outro quando não esta presente. Acredita-se que isso é "ser romântico", é "amor", eu pergunto será? Será isso amor? Sexo e uma necessidade do outro a ponto de gerar uma abstinência. Vendo por esse lado vemos uma propagação de uma interpretação imatura do amor, uma visão completamente adolescente e superficial, pois, se baseia em sensações.

Aqui, você pode encontrar um texto sobre a dinâmica do Amor e da Paixão detalhada. Nesse texto explico que, atualmente, confundimos amor com paixão, a paixão são as respostas orgânicas que o estimulo da visão ou lembrança do outro causa no organismo. Também explico que isso não é ruim, é natural, é colocado por Deus para que haja atração entre homem e mulher, para que estes possam se unir e gerar frutos, justamente a execução da ordem de Deus no Gênesis. No entanto, quando isso se torna uma forma de extrair prazer individual, de uma forma egoísta, que menospreza a vivência disso para a formação de uma família a partir do matrimônio, temos um problema. Passamos a usar o que Deus fez para manter a atração entre marido e mulher, para usar do outro e se expor ao uso como um objeto. 


Mentira

Os livros fazem uma apologia a mentira. Mentir para a família, é normal nesses livros. Como se mentir "por amor" fosse bom. Nesse caso claro que não preciso me prolongar, afinal, quem mente, mente para si mesmo. E livros que fazem disso algo bom, são no minimo duvidosos.


Negligenciar a consciência

É impressionante, mas parece uma peste! Os personagens fazem sempre o inverso do que pensam! Pensam e refletem os perigos, os valores e fazem o inverso! Acho interessante que, atualmente, é comum encontrarmos pessoas que não escutam sua consciência, que foi nos dada por Deus para nos ajudar a andarmos no caminho certo. Esse fato somado ao anterior, temos uma geração de Pinóquios.

Relações abusivas


Não somente fisicamente, mas verbalmente e até psicologicamente. Ocorrendo tanto com mulheres como com homens. Essas relações são expressas como "normais conflitantes", quando há nada de normal pisar no outro para se sentir melhor, reproduzir um abuso por ter sido abusado ou ainda maltratar por ter sido maltratado. Não faz sentido propagar esse tipo de relação como "normal" nos livros e pedir para que as pessoas tenham auto estima, denunciem os abusos e busquem pessoas que lhes façam ser melhores a cada dia. Não faz sentido, logo vemos que muitos relacionamentos fracassam, pois, ao contrário do que muitos pensam, atualmente não temos nenhuma referência do que é bom ou mal. O príncipe dos livros é estranhamente também o vilão (vilão mesmo, não o Mr Darcy que foi vitima de um mal entendido), as atitudes que são ruins são descritas como boas e justificáveis...e é claro na vida real não é assim.



Virgindade

A virgindade nos livros perdeu seu valor e isso se propaga também na relação das meninas e meninos perante a virgindade. Além de ser tratada como algo angélico é tratada quase como uma enfermidade ou no minimo algo "anormal" ou ainda, algo sem importância. O que faz da relação sexual em si, também algo sem importância, um momento que não vale nada, passageiro, fazendo dele uma forma de exercer a manipulação de um objeto sexual, um objeto atraente, sem nenhuma sacralidade ou objetivos para posterioridade, comprometimento sacramentado, que é o amor, amor é comprometimento de vida, foi assim que Jesus mostrou seu amor. 

Amor e Luxúria


Os livros confundem amor e luxúria, que torna o outro objeto. E a luxúria mata o amor. Sem falar nas enxurradas de relatos que mostram masturbação, pornografia, outras práticas de luxúria que usam o outro. Por definição o amor procura dar e servir desinteressadamente mesmo quando é um sacrifício, enquanto a luxúria é egoísta e busca o prazer para si, mesmo à custa da utilização de uma outra pessoa. Uma alma que quer ser pura deve se atentar a não deixar entrar em si sujeiras.


Equívocos sobre o amor


Confundir dependência com amor. Como explico aqui, a relação sexual gera a liberação de neurotransmissores que fazem com que a relação com o outro se estreite e se torne mais forte. Num casamento isso é ótimo! Mas e quando se trata de uma relação imatura, sem sacralidade e muitas vezes abusiva? Pois, como essas são as relações narradas atualmente, vemos que essa dependência do outro, gerada pela relação sexual, ganhou o nome de "amor", na verdade, é uma descarga de neurotransmissores que fazem com que o laço entre o homem e a mulher se tornem fortes para que possam formar uma família. Novamente um uso equivocado de algo que Deus fez para formar e proteger a família aumentando a proximidade do casal. Mas o casal, não é um casal, isso é ruim pois essa dependência é similar ao de um dependente químico, ou seja, na prática trata-se de uma dependência de alguém que não se conhece, sem nenhum objetivo em comum e nenhum laço de comprometimento...obviamente isso não é bom.

Dignidade


Claro que com esse festival de atitudes e pensamentos equivocados, temos uma crise de identidade. Os homens e as mulheres perdem suas referências, os livros mais vendidos e lidos são "mais do mesmo", personagens superficiais, não há mais a construção de uma "pessoa". Assim criamos novamente uma discrepância do que é aceitável, afinal se livros influenciam as pessoas e estes estão completamente sem fundamentos sólidos, teremos pessoas sem fundamentos sólidos.

Assim, como vivo repetindo, mas relembrar é viver, devemos nos atentar com o que lemos. Como já disse, temos muito do mesmo, logo ficará fácil notar, se isso ainda não ocorre, a interminável repetição de padrões literários sem nenhum conteúdo. Também devo dizer que não sou contra a literatura de entretenimento e até romances, mas vale lembrar que a maioria esta seguindo esses padrões, pouquíssimos escritores conseguem fazer um texto sem sexo, o que só eleva ainda mais os autores clássicos, que escreviam muito mais em quantidade e qualidade.

Paz e bem.




7 SITUAÇÕES DIÁRIAS PARA PEDIR OS DONS DO ESPÍRITO SANTO

Como sempre digo, toda hora é hora de oração. Hoje vamos ver algumas dicas de como aproveitar as situações diárias e pedir os dons do Espirito Santo. Este texto é uma tradução do site Catholic Link com comentários em azul. 

O Espírito Santo foi nos dado como um presente, mas poucos de nós fazemos uso dele. Às vezes é devido à falta de conhecimento sobre os dons e outras vezes nós simplesmente nos esquecemos. Hoje temos 7 exemplos de momentos em que poderíamos chamar sobre nós o Espírito Santo.

O Espírito Santo não é apenas um antigo ser, nebuloso. O Espírito está aqui para capacitar, esclarecer e instruir-nos para que possamos viver nossa fé no mundo todos os dias. Tome um momento para ler os cenários que apresentaremos de modo que, quando você se deparar com essas situações em sua vida, saberá como orar ao Espírito.



  1. O dom do conhecimento


Com o dom do conhecimento, passamos a conhecer o verdadeiro valor da criação em relação ao Criador. Isso é importante para todos aqueles momentos em que estamos rodeados de beleza, mas nós só pensamos em nós mesmos. O desafio é ser capaz de experimentar a maravilha, ser capaz de se surpreender com a incrível natureza que nos rodeia e nos convida a sair do nosso mundo egoísta. Ao fazer isso, somos capazes de descobrir Deus em Sua criação, e nele, seu eterno amor pelo homem.

2. O dom da sabedoria


O dom da sabedoria se refere à capacidade especial de ver as coisas humanas de acordo com Deus, sob a luz de Deus. Iluminado por este presente, somos capazes de perscrutar mais profundamente as realidades que nos cercam. Nós somos capazes de descobrir as coisas em si, e não apenas o que gostaríamos que fossem para nós. Assim já não julgamos de acordo com os nossos critérios, superficiais e egoístas, mas de acordo com os critérios que encontramos nos Evangelhos. Basta imaginar como as coisas seriam se pudéssemos ver o mundo como Deus vê !. (Pura Beleza, já vou respondendo).



3. O dom do conselho


O dom do conselho age como uma lufada de ar fresco no nosso consciente; ela nos ajuda a ver e discernir o que é bom, o que nos faz feliz, e o que é mais conveniente para nós. Muitas vezes somos confrontados com decisões importantes em nossas vidas e as vidas dos outros. Quando alguém pedi a nossa ajuda, às vezes nós não sabemos exatamente o que devemos pensar, o que dizer e muito menos como agir ... Este é o momento preciso em que devemos abrir-nos ao Espírito Santo que vive dentro de nós! Com esta abertura, seremos capazes de ver e agir, para dar um bom conselho.



4. O dom da fortaleza


Fortaleza é o que nos permite viver com coragem o que Deus quer de nós, especialmente quando se trata de lidar ou superar as dificuldades da vida ou aqueles momentos em que devemos resistir as paixões internas e as pressões externas. Ninguém pode dizer que é sempre forte, que sempre é capaz de resistir à tentação. Uma das realidades que é mais evidente em nossas vidas humanas, é o fato de que somos frágeis; mas é lá que encontramos Deus, e percebemos o quanto precisamos Dele. Por isso, nunca devemos duvidar ao pedir sua ajuda. Mas fazê-lo a tempo! E se você cair, deixe seus fracassos ensinar-lhe uma auto-desconfiança saudável e para colocar a sua confiança cada vez mais Nele.

5. O dom da piedade


A piedade cura nosso coração de todos os tipos de dureza e permite que se volte para a relação com Deus e com nossos irmãos e irmãs. Por muito tempo eu acreditava que ser piedoso significava orar como as senhoras que eu via rezando na igreja quando era mais jovem. Mas, vendo pelo dom do Espírito Santo, percebi que  a piedade implica a disposição a nos colocarmos na pele do outro, para sentir como ele. Aqui, devemos perguntar, como posso sentir o que o outros sentem através do Espírito Santo? Bem, amando! (que é mais uma decisão que um sentimento). E como você pode amá-lo? Amando-os nas pequenas coisas: através da partilha de uma palavra de encorajamento, pisando fora de sua zona de conforto para ajudar o outro, não se empenhar para provar que você está sempre certa e o outro errada, etc. Este é o caminho do amor através do qual a piedade nos guia.


6. O dom do temor do Senhor


Temor do Senhor não significa ter medo de Deus, porque ele não é uma espécie de vingador que está olhando para punir. O temor significa ter um espírito maduro, ciente da própria culpa e do peso dos seus pecados; (por isso dizemos "minha culpa, minha tão grande culpa", para assumir a responsabilidade diante de Deus que vê tudo e também é generoso, é uma contrição de coração) ainda significa, também, confiança na Sua Misericórdia. É o medo de um filho ou filha que deriva, no entanto, por amor. Quando éramos pequenos, nós nunca queríamos que nossos pais ficassem bravos conosco, não tanto por medo, mas porque ficávamos tristes por fazê-los sofrer. Temor de Deus implica que em nossa vida damos o que é devido a Deus, que Ele ocupa o lugar de Deus e ninguém mais. Isso significa que nós reconhecemos o peso e a importância de nossas ações, especialmente aquelas que nos separam Dele. Um grande meio de viver este dom é o uso frequente do sacramento da reconciliação.


7. O dom do entendimento


Esta é uma graça que nos ajuda a compreender a Palavra de Deus e nos aprofunda nas verdades que Ele nos ensina. Quantas vezes nos encontramos reclamando ou pensando confortavelmente em nossos bancos na igreja: "o padre não sabe como fazer uma boa homilia; ele complica muito; é chato; eu não entendo nada" (só reclama e não faz nada, além de espalhar sua "reclamação" por aí, fazendo o papel de uma praga egípcia em pessoa). Ou ... "Eu nunca falo sobre minha fé, porque eu não tenho muito a dizer, tenho muitas dúvidas" ... E nós nunca fazemos nada sobre isso! Com minha própria experiência (e minha também), posso dizer-lhe que sua fé se fortalece a medida que você entende, se aprofunda Nele e não, simplesmente, fica com o pouco que aprendeu quando você era criança (esse ponto é importante, a catequese, a perseverança e o crisma consideram a idade do grupo e normalmente suas lutas naquela época, agora pensa aí, você é o mesmo? Acredito que não somente em idade, mas em pensamentos e objetivos, você mudou, logo existem outras coisas para aprender e aprofundar sobre a Igreja, as Escrituras, a Tradição. Vale lembrar que a Igreja tem mais de 2000 anos! Será que uma catequese na infância dá conta de passar tudo o que você precisa? Claro que não! Foi só começo, para te preparar para receber os sacramentos, agora alimentado e confirmado é possível aprofundar mais e mais).

Se realmente queremos esses presentes em nossas vidas, devemos pedir por eles! Tire um tempo agora para orar e pedir ao Espírito Santo que derrame os seus dons sobre nós e ajude-nos com seu Amor Infinito. 

Paz e bem!

RECLAMAR VALE A PENA?


Houve um tempo em minha vida que mais da metade das palavras que saiam da minha boca eram reclamações, vivia numa constante insatisfação com a vida, nada estava bom, eu merecia "mais e melhor". Juntamente a isso eu vivia uma acídia monstra, isso durou de dois a três anos (não me recordo ao certo, o tempo é uma coisa muito nebulosa, para quem esta insatisfeito, nunca passa, já que se vive na mesma escuridão, mas pelas minhas contas é isso).

Pois bem, claro que me sentia péssima, vazia, me lembro que rezava a Deus que me tirasse do casulo em que estava. Sabe o casulo da lagarta? Que deve virar uma borboleta? Já parou para pensar, ela não esta morta, esta lá dentro vendo tudo passar, parada, como se estivesse morta, esperando Deus tecer suas asas, mudá-la em outro ser completamente diferente, que voa. Pois é, lindo não? Mas estar dentro do casulo não assim tão "agradável", é estranho, exige aceitação e uma mudança de atitude, comportamento, tudo muda, Afinal, uma lagarta não é uma borboleta, são extremamente diferentes. Acontece um processo na natureza que se chama histólise, o suco gástrico existente dentro da lagarta destroe a mesma de dentro para fora. Pois, acredito que foi essa metamorfose similar que aconteceu comigo, em longos três anos. 



Enfim, mesmo lá dentro, o sentimento de insatisfação perdurou, até que gradativamente Aquele que estava a me tecer, rompeu a linha dessa forma de agir. Não sei ao certo como, mas me tornei muito perspicaz em me observar, observar minhas reações e meus pensamentos, por isso posso te dizer, Deus é muito bom por ter me aguentado, eu reclamava absurdamente, eu era insuportável, depois que comecei a me observar nem eu me aguentava.

Comecei a reparar minhas orações, reclamava e pedia, basicamente. Minhas conversas com as pessoas, não mudavam muito. Quando percebi que fazia isso, resolvi me disciplinar, sinceramente o que passou pela minha mente foi "sou interesseira, só me aproximo de Deus para pedir e reclamar do que acho que devia ter ou ser".

Acredito que à partir daí comecei a sair do casulo, que não foi fácil, passei mais uns dois anos, saindo do casulo, me adaptando a ser outra pessoa, ou melhor, a ser quem eu era. 

E por fim, criei uma certa relutância a reclamações. É um louvor a satanás, realmente. Deus foi bondoso comigo e me colocou num casulo, para que eu enfim pudesse me observar e ver o que Ele via (vou ser sincera que na época não entendia, como disse, não é agradável). Isso aconteceu, exatamente no silêncio e na pequenez de um casulo real na natureza, ninguém vê, ninguém nota a presença ou a falta, pequenos grandes milagres.

Sempre falo isso, observar o pequeno, porque foi a primeira coisa que vi depois que consegui me sentir saindo casulo. Sempre me regulo para mais agradecer e louvar, do que reclamar. Sempre que reclamo, tento ver o que afinal me incomoda naquilo ou naquela pessoa e busco aprender, logo o que era reclamação se torna aprendizado que deve ser agradecido. 



Todos temos nossas dores, sei que muitas vezes nos parece que nossa vida é bem pior que as outras vidas, mas será isso verdade? Todas as dores são dores, isso foi o que aprendi, mas nem todas as reclamações geram benefícios, realmente. 

Foi nessa altura que um dia, andando pela rua vi um senhor passando mal, estava convulsionando, não é algo tão novo para mim, mas naquele dia fiquei impactada porque estava na rua, me lembro que estava conversando com Deus e vejo um alvoroço, me chamam, chegam enfermeiros (colegas que chamei) e o senhor apresentando um quadro bem peculiar. Me lembro de pensar, "somos pó", ele olhou nos meus olhos e vi medo e surpresa, até hoje consigo me lembrar. Confesso que depois do socorro, não sei o que lhe aconteceu, o que sei é que será mesmo que vale a pena passar a vida a reclamar? Já que ela é tão pequena e grandiosa, tão frágil e transformadora?

Eu cheguei a conclusão que não...e ainda agradeço a esse senhor que me ensinou sem falar nada, aonde quer que ele esteja...

Paz e bem.